França – Arquitetura, culinária e lazer.

OLAR!

Todos sabem que arquiteto não viaja, faz estudo de caso hahaha. No feriado passado, fiz uma viagem para conhecer uma cidade super interessante e resolvemos dividir com vocês não apenas conteúdo 100% voltado à arquitetura, mas também um pouco de como os nossos olhos passeiam por aí, como buscamos novidades, conhecimento, descanso e como alimentamos a alma com pura história.

A viagem dessa vez foi para uma das cidades francesas mais criativas do País chamada “Nantes”, que fica a 50 quilômetros do oceano Atlântico e que em 2004 foi descrita pela revista “Time” como a “cidade com mais vida na Europa”. Ela não se enquadra bem como o tipo de local que todos querem visitar, ou passar por lá, como temos Paris, Nice, Lyon ou Bordeaux, mas se ela estiver no seu caminho…. pare e vá conhecer alguns de seus pontos.

Passei cinco dias andando por todos os lugares que pude e agora vou falar um pouquinho só para despertar em vocês aquela vontade de viajar hahaha.

História

Hoje, Nantes é a sexta maior cidade da França, mas de início se desenvolveu financiada por um mercado nada prazeroso. O passado da cidade carrega momentos muito fortes da história, principalmente por ter sido o porto europeu mais importante relacionado ao mercado de escravos do Século XVIII. Por muitos anos, foi motivo de vergonha e poucos falavam sobre o assunto, até que na década de 90 isso mudou e foi apresentada de uma forma incrivelmente diferente. O local possui um memorial da abolição da escravatura e em 1992 contou com aexposição “Les Anneaux de la Memoire”, queapresentou toda a história ocorrida em Nantes e assim difundiu da melhor forma o conteúdo para conscientização de todos e serviu de pontapé inicial para o surgimento de novos projetos em vários lugares do mundo.  E agora? Vale a visita? Claro!! É uma cidade reinventada na arquitetura e nos costumes.

Arquitetura

E a arquitetura, ein? Meus olhos brilharam por lá hahahah vou mostrar alguns estilos encontrados por onde andei, os que eu mais curti né mores heheh.

Essa mega vista é de um dos terraços mais populares da França, vem do 32º andar da torre da Bretanha e a parte boa? É 360º!! Lá funciona um bar com uma decoração interessante e inusitada, elaborada pelo Designer Jean Jullien. Seu nome? “Le Nid”. Certamente fiquei intrigada com a decoração e me peguei um bom tempo sentada pensando. De acordo com o que li por lá, trata-se de um pássaro monumental, meio cegonha, meio garça, que vigia calmamente a cidade. Olhem só….

Outro local com uma arquitetura moderna que me chamou atenção foi uma indicação de um amigo arquiteto, Marcelo Borborema. Trata-se do Palácio de Justiça de Nantes, que é projeto de Jean Nouvel. Diferente do que muitos pensam, o espaço é aberto ao público, é neutro e definitivamente encantador pela sua grandiosidade.

E os locais com longa data?

As igrejas em sua maioria possuem arquitetura Gótica e Neogótica, e claro vamos então à catedral gótica de São Pedro e São Paulo. Sua construção demorou somente 457 anos. Sim, só isso hahaha, mas espera… é uma das catedrais mais altas da França e sua fachada pode não ser tudo aquilo que esperamos, mas o interior compensa e apaixona. Quem ordenou a construção foi Ana da Bretanha e a catedral abriga os túmulos dos pais da toda poderosa, Franscisco II e Margarida de Froix.

Com estilo neogótico temos a basílica de São Nicolau…

Mas e aííí miga? Cadê o meu castelo de princesa? Calma, more! Localizado no centro da cidade, o castelo dos duques da Bretanha é um dos monumentos históricos mais importantes de Nantes. Uma edificação protegida por um fosso e muralhas, com arquitetura dividida entre estilo Renascentista e estilo Flamboyant (Gótico Flamejante). Construído com paredes em granito e calcário, o local abriga hoje em seu interior o museu de história de Nantes.

Culinária

Aquela parte de que todos gostamos hahahah. Bom, comer bem é obrigatório nesse país com uma culinária de agradecer de joelhos e essa região se mostrou rica em mariscos, carnes, peixes, queijos e o seu vinho branco produzido no vale do Loire, o “Muscadet”.

Você pode ir ao mercado Talensac e comprar os alimentos frescos e ser muito feliz comendo aquilo que os franceses te oferecem em excelência com um bom preço. Ostras, escargort, vieiras e vôngoles. E os queijos e salames? Ai ai…deu saudade hahaha

As ruas também oferecem diversos restaurantes pra você comer os famosos crepes e galettes franceses com um cardápio diversificado, mostrando como existem mil maneiras de fazer um crepe. E sim, deliciosos.

Juntando comida+arquitetura, visitei a “La Cigale” Brasserie, e esse é aquele momento em que você não sabe se analisa o local em mínimos detalhes ou se se concentra na comida sensacional servida por lá. A edificação tem a data de 1895 e apresenta em seu interior o estilo Art Nouveau de impressionar. A comida, o serviço e o ambiente foram impecáveis e o local já sobreviveu a duas guerras, já recebeu presidentes e já serviu como cenários de filmes. 

E um prato super apreciado por eles? O Steak Tartare. No La Cigale,eles preparam ao seu lado na mesa. Ok, é um prato cru, mas observar ser preparado na sua frente dá mais emoção hahaha.

Lazer

E o que fazer por lá? Bom… à noite a cidade é super viva, com muitos bares e restaurantes. Mas e de dia? Vale tirar um tempo para descansar a cabeça e passear, deitar, ler no jardim das plantas. Inaugurado em 1865 na sua forma atual o local possui lagos, cascatas, vários animais e vegetação com cortes lúdicos. Possui uma das maiores coleções de camélias e magnólias do mundo. E a cidade é simplesmente assim, cheia de parques e praças.

Uma curiosidade: Nantes é a cidade natal do Escritor Júlio Verne e o nosso próximo ponto turístico tem tudo a ver com ele, adotando o seu estilo imaginário, suas obras e os desenhos de Leonardo da Vinci.

As máquinas da ilha de Nantes são um parque que diverte principalmente as crianças. Os antigos estaleiros navais da cidade atualmente abrigam esse espaço e são estruturas mecânicas de madeira, ferro e couro gigantes que se apresentam em puro movimento. E suas formas? São animais! Sim, muito legal e interessante. Imaginem um elefante com 12 metros de altura que sai do estaleiro e caminha pela cidade jogando água nas criancinhas, um amorrr, não é?

Então queridos, o que acharam da nossa pequena fuga da arquitetura?? Esperamos que tenham gostado e que tenha dado aquela vontade de arrumar as malas e sair por aí se encantando com arquitetura, culinária e lazer. Afinal, essa é a arte de viver bem a vida, certo?

Beijos,

Lorena.

Postado por


 
ALINE FEITOSA

 
LAIANA PINHEIRO

 
LORENA PEDROSA

 
MANUELLA LEÃO

 
MILENA MOTA

 
RAFAEL SÁ

 
RAFAELA SANTOS

 
RENAN NASCIMENTO